10 novembro, 2012

Two is Better Than One - Capítulo 08

Oie gente!
Tudo bem com vocês? Espero que sim!
Depois dos comentários em um dos posts anteriores, vou continuar trabalhando em novas crônicas para mostrar à vocês! Realmente, me identifiquei com esse tipo de texto, mas ainda prefiro escrever livros grandes sabe? ^-^ Pois é, ainda estou escrevendo o meu, tantas páginas, a história nem chegou na metade ainda... Mas é isso mesmo! #determinação
Bem, sem mais blá blá blá, que tal conferirmos o novo capítulo da web novela? Clica em leia mais!



Capítulo 08 – Poesias


   Ao chegar em casa, fui logo tratar de estudar para as provas da semana que vem, principal-mente para Geografia e Biologia. De repente me lembrei dos deveres de Biologia e Inglês, e fui correndo fazê-los, sem contar com o trabalho individual de Ciências, sobre plantas medicinais.
   Quando finalmente conclui meus deveres e estudos, fui logo ler algumas poesias minhas e de-cidir, entre tantas, as duas que iriam comigo para a competição. Uma mais linda e tocante que a outra, mais original, calma, doce... tantas sensações, emoções, em tão poucas palavras. É, essa sou eu.
     Enquanto lia, comecei a lembrar de quando Liam e eu éramos pequenos. Ele não precisava vi-ver naquela clínica, sorria e brincava comigo o dia todo, e às vezes, dormia aqui em casa, quando os pais deles viajavam. E aí, aos 10 anos, ele precisou ir para a clínica, e nossa comunicação ficou mais difícil. Ele nunca pode sair daquela clínica, nem mesmo por um único minuto, graças àquela chata da Joanna. E os pais dele, bem, vivem viajando. Desde que o filho foi internado, a dor deles com a situação foi tão grande, que a única forma de não se abaterem tanto, foi apenas viver viajando mundo à fora, para distrair a cabeça e os pensamentos...
      Essas lembranças que me faziam pensar, acreditar, opinar, de tantas formas diferentes, algumas até, que eu nunca havia mostrado às pessoas ao meu redor.  Quando dei por mim, formei uma pequena poesia, e as palavras rapidamente foram para o papel. “Essa poesia tem que ir para a competição” pensei. Era marcante, doce, suave... Poderia não ser a poesia perfeita para todos, mas tinha um grande valor para mim. Mas eu decidi que não. O sentimentalismo dela era muito grande e nostálgico, e eu não queria chorar durante sua declaração. Eu sou muito sensível.
      O fim de semana foi lotado de deveres, e muito, muito estudo. Na segunda, eu, Dani, Maia, Lin e Janessa fomos à biblioteca, e ficamos estudando até a prova começar. Quanto à ela, acho que tirei um 8,0, ou algo parecido. Não estava difícil, mas também não estava fácil. Qualquer falta de atenção poderia custar a retirada de alguma questão, portanto, atenção e raciocínio à todo custo.
   Passei o fim de semana intocada no quarto, soterrada por livros de Geografia, Geometria, Português, Química, Biologia e Ciências. Em um tempinho extra que tive para recuperar o fôlego, folheei mais uma vez as páginas do meu caderno de poesia, e a pergunta “Quais poesias eu escolho?” rodeava minha cabeça o tempo inteiro. Eu não havia decidido ainda, e se me reconheço bem, não decidiria tão cedo, ou pelo ou menos, não definitivamente.
      Durante toda a semana, a rotina era mesma: dorme, come, estuda, dorme, come, estuda... e não parava mais. E não era para menos. Na terça, a prova de Biologia mais parecia uma prova de faculdade, com 25 páginas. Ou seriam 35? Sinceramente, minha cabeça já está cansada de raciocinar... ai, ai...



E então, o que acharam?

Beijos e fiquem com Deus. 

Um comentário:

  1. Está cada vez mais interessante :D Acho que ela deveria escolher aquela que escreveu pensando no Liam...

    ResponderExcluir